sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Um dia de mãe


Chegou exausta, cheia de sacolas, de dor de cabeça, morta de calor, faminta, caótica, e com um firme propósito: tomar um banho e cair na cama. Encontrou uma acalorada discussão a respeito da impossibilidade de se dividir um computador em três (sem despedaçá-lo) e as três crianças aos berros. Todas as luzes da casa estavam acesas. A pressão subiu um pouco.
Vocês querem fazer o favor de apagar as luzes enquanto eu tomo o meu banho?
Inútil. Todos os membros da família foram acometidos da síndrome de pensar em outra coisa, mal muito comum entre maridos e filhos durante reclamações, queixas, opiniões etc.
Saiu pela casa desligando tudo o que estava aceso para nada: lâmpadas, som, TV, internet...
Por isso que eu liguei pra cá e só deu ocupado o dia inteiro!
O quê?
Nada. Já tinha desistido de competir com o walkman havia muito tempo. No quarto da filha mais velha, dezenove blusas, cinco saias e quatro vestidos estavam espalhados em cima da cama para a devida apreciação da mesma.
Vai sair?
Desisti. Não tenho roupa.
A pressão subiu vertiginosamente. Bobagem. Nada que um banho não resolvesse.
Esse jantar não sai hoje não?
Esquece o banho.
Sopa de novo?
Calma.
Argh!
Respira.
Por que eu não tenho copo?
Palpitação moderada. Coisa controlável. Foi buscar o copo.
Aproveita que tá na cozinha e frita um ovo pra mim?
Claro. Fritar ovo inclusive é uma ótima terapia ocupacional pra quem já passou por dois engarrafamentos, banco, pediatra, ginástica, supermercado, uma papelaria entupida de mães comprando material escolar e cinco reuniões de trabalho. Normal.
Você não sabe que eu só gosto de gema mole?
Teve uma leve síncope nervosa, mas conseguiu se controlar. Afinal, a culpa era dela. Como podia ter cometido um erro tão grave? Era óbvio que a mais velha e a do meio gostavam de gema mole (muito sal para a primeira, pouco para a segunda), a menor preferia ovo mexido (sal no ponto), o marido não suportava gema... Ou não suportava clara? Quem gostava de omelete? Qual das crianças teve sarampo? Quem foi que quebrou a perna?
Bateram na porta. Era o porteiro pra avisar que ia faltar água. Ameaça de enfarte. Passou, graças a Deus. Voltou quando alguém espatifou a jarra de suco no chão. (Dessa vez foi de miocárdio.) A menorzinha disse que foi a mais velha. A mais velha disse que foi a do meio. A do meio disse: tudo eu! E trancou-se no quarto, de onde só saía em último caso, um incêndio ou um telefonema, por exemplo. O telefone tocou.
Alguém pode atender enquanto eu limpo o chão ou limpar o chão enquanto eu atendo?
Todos os membros da família foram acometidos de um acesso de paralisia generalizada (espécie de praga que costuma ser causada pela presença da mãe no recinto) acompanhado de mudez instantânea. Acontece. Ela atendeu o telefone, era engano, limpou o chão, voltou para a mesa, a sopa tinha esfriado. Melhor. Comer engorda.
O ar-condicionado do meu quarto quebrou.
Você lembrou de comprar o meu livro de inglês?
Não tem geleia não, é?
O cachorro fez xixi na minha colcha.
Por que eu não tenho garfo?
O telefone tocou de novo. Nova palpitação seguida de falta de ar súbita. Era para a menor.
A Júlia pode dormir aqui hoje?
Pode.
A mamãe deixou. Desce daqui a dez minutos que a gente passa aí pra te pegar.
Ligeiro formigamento no braço esquerdo. Angina? Isquemia? Talvez. Saiu de casa com o firme propósito de pegar a Júlia, voltar correndo, ir direto tomar um banho e cair na cama.
Aproveita que vai sair e passa na locadora pra devolver os filmes.
Aproveita que vai passar na locadora e compra o meu remédio na farmácia.
Casa da Júlia. Locadora. Farmácia. Ia ter que deixar o enfarte e o banho pra mais tarde.
Adriana Falcão, In O doido da garrafa

Nenhum comentário:

Postar um comentário